Emagrecimento & fome emocional


Fome emocional é a fome provocada por, ou consequência de, uma âncora emocional. Distingue-se da fome fisiológica pelo facto de poder acontecer após uma refeição consistente. O estômago pode estar preenchido mas há qualquer coisa que falta, regra geral algo muito específico e que actua como uma recompensa, sendo associadas emoções aos alimentos (daí o nome - fome emocional).

Fazer uma ingestão regrada ao longo do dia é crucial por forma a nos mantermos saciados, deste modo podemos logo à partida garantir que o apetite está controlado, excluíndo a opção da fome que sentirmos ser fisiológica. 
A fome emocional tem uma característica muito particular: é instintiva, sem qualquer tipo de racionalização. É por isso que muitas vezes é a responsável pelo insucesso das perdas de peso, porque no momento em que "ataca" o raciocínio lógico nem sempre acontece e ficamos reféns do nosso desejo. A fome emocional é o "aqui e agora", sem pensar nas consequências. Estas consequências só aparecem depois, depois de ceder ao nosso impulso, e muitas vezes traduzem-se em martirização, desmotivação, desistência do plano alimentar e em casos extremos pode despoletar um distúrbio alimentar, por levar ao desespero e adopção de manobras compensatórias. 

A fome emocional é algo que trabalhamos nas consultas de Nutricoaching. Uma das técnicas mais eficazes para a combater consiste em "distrair" a nossa mente, no exacto momento em que a fome aparece. Por ser tão instintiva, algo do momento, o facto de aguardarmos algum tempo até ceder ao impulso leva a que "ganhemos" tempo para a poder racionalizar, pensar a longo prazo. Se ainda assim optarmos por fazer essa ingestão alimentar, já não podemos dizer que foi uma acção inconsciente, já foi uma escolha reflectida.

Fotografia via Pinterest
Professional Blog Designs by pipdig